sexta-feira, 17 de junho de 2011


quarta-feira, 8 de junho de 2011

Governo detecta 34 pontos vulneráveis ao tráfico nas fronteiras brasileiras

Maurício Savarese
Do UOL Notícias
Em Brasília
  • Ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, anunciou nesta quarta-feira um plano para reforçar a segurança na fronteira do Brasil com vizinhos Ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, anunciou nesta quarta-feira um plano para reforçar a segurança na fronteira do Brasil com vizinhos
Em seu Plano Estratégico de Fronteiras, anunciado nesta quarta-feira (8), o governo federal detectou 34 pontos onde o crime mais atua nos mais de 16 mil quilômetros de divisa do Brasil com outros países. A iniciativa divulgada pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, ampliará o policiamento nesses locais e reforçará ações permanentes e em blitze pontuais de impacto.
Ao lado da presidente Dilma Rousseff no Palácio do Planalto, Cardozo afirmou que o policiamento de fronteiras será feito em conjunto pelas polícias Federal e Rodoviária ao lado das Forças Armadas, que ajudarão na parte logística das operações. A ação conjunta, segundo ele e seu colega da pasta da Defesa, Nelson Jobim, é o principal avanço que a iniciativa traz.
Por segurança, o governo não revela quais são os 34 pontos onde o narcotráfico e o tráfico de armas e bebidas mais agem. Também não falou em quanto será gasto para dobrar o efetivo que trabalha na operação Sentinela nem informou quantos homens estarão disponíveis para as ações.
“A sociedade terá mecanismos para fiscalizar com indicadores que serão divulgados. Vamos usar indicadores cruzados”, afirmou ele. Prisões e apreensões podem estar entre os mecanismos utilizados para avaliar resultados do plano estratégico. Os pontos detectados até agora podem ser reavaliados também.
“Até porque não podemos desconsiderar que o crime tem mobilidade. Quando pressionamos um ponto, ele pode rapidamente se mover para outro”, disse o ministro. “Esses pontos servirão de orientação para o nosso trabalho.” Cardozo repetiu que os VANT (Veículos Aéreos Não-Tripulados) da Polícia Federal patrulharão fronteiras a partir de setembro.

Efetivo maior

Cardozo afirmou que o governo promoverá concursos públicos para dobrar o efetivo nas fronteiras. Ele adiantou que os mais jovens aprovados em concurso cumprirão essas tarefas e que o governo discute uma política de incentivos para os que aceitarem o trabalho nessas regiões fronteiriças.
O ministro disse ainda que a operação Sentinela será reforçada de forma permanente e que, em coordenação com o Ministério da Defesa, haverá a operação Ágata, com ações pontuais de impacto contra o crime nas fronteiras. No Ministério da Justiça, haverá uma sala de acompanhamento dessas ações.

Veja mais